Pesquisa Nacional sobre Envelhecimento Saudável conduzida pelo Instituto de Políticas de Saúde e Inovação da Universidade de Michigan destaca que mais de 1/4 dos entrevistados disseram que só tinham contato social uma vez por semana: com membros da família com quem não moram, com amigos ou vizinhos. “Esses resultados indicam a importância de alcançar aqueles que estão na sua comunidade e que podem estar em risco”, afirmou Erica Solway, especialista em envelhecimento e uma das diretoras da pesquisa.

Também Preeti Malani, que é professora da Divisão de Doenças Infecciosas da Faculdade de Medicina, ressaltou o crescente número de pesquisas que apontam fortes conexões entre a saúde e a solidão. Além disso, são ressaltados os efeitos positivos na saúde provocados pelo aumento do contato social promovidos tanto por grupos comunitários quanto por voluntariado e atividades religiosas.