A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizará duas audiências públicas sobre uso de novos dispositivos eletrônicos para fumar, como cigarro eletrônico e tabaco aquecido. A primeira será em Brasília, em 8 de agosto, e a segunda no Rio de Janeiro, ainda sem data marcada.  A  sugestão que um dos debates aconteça no Rio foi apresentada por diversas organizações de controle do tabagismo, como a ACT Promoção da Saúde, em reunião ocorrida em 18 de junho, em Brasília.

Para essas organizações, os novos produtos de tabaco, cuja comercialização, importação e propaganda são proibidas no país, podem atrair consumidores mais jovens ao tabagismo. Elas também alegam que  não há estudos científicos suficientes para afirmar que são seguros e diminuem os riscos de doenças, quando comparados aos cigarros tradicionais.

“Trata-se de uma agenda apenas de interesse da indústria, pois do ponto de vista da saúde pública não há pressão para a liberação desses produtos no mercado brasileiro, devido à falta de consenso de que sejam de risco reduzido. Defendemos que devem haver mais pesquisas independentes, sem conflito de interesses, sobre o uso de dispositivos eletrônicos para fumar e seus riscos à saúde, uma vez que ainda há extenso debate quanto ao real impacto destes produtos”, disse Ticiana Imbroisi (foto), assessora de advocacy da ACT.

Já a Philip Morris, que vem investindo esforços de forma agressiva para liberar os novos produtos,  enviou um representante, que disse que, ao não regular o assunto, a Anvisa perde oportunidade de fiscalizar os novos produtos e educar consumidores.

INFLUENCIADORES DIGITAIS – A indústria tem feito propaganda de dispositivos eletrônicos para fumar e tentado espaços pagos em jornais. Há sites no Brasil para a venda de cigarros eletrônicos e propaganda em mídias sociais, como Instagram, com o uso de influenciadores digitais. “Ao promover produtos proibidos para a venda no Brasil, a indústria está promovendo uma forma de mercado ilegal – do qual tanto se queixa em outras ocasiões”, completou Ticiana.

SAIBA MAIS:

http://actbr.org.br/post/vapor-do-cigarro-eletronico-prejudica-celulas-do-pulmao/17523/