Relatório da OMS sobre Epidemia Mundial do Tabaco, lançado no Rio de Janeiro, aponta o Brasil e a Turquia como os únicos países do mundo a alcançar o mais alto nível das medidas de controle do tabaco. Isso significa ter conseguido implantar as melhores estratégias recomendadas pela entidade.

Com o resultado, o Brasil se destaca como referência internacional no combate ao tabagismo, dentre os 171 países que aderiram às medidas globais da OMS. A experiência brasileira deverá ser apresentada em reunião da OBS em Genebra.

A mudança de hábitos no Brasil – não fumar em avião, transporte público, restaurantes e medidas preventivas – faz parte do sucesso de campanhas de conscientização e de legislação específica. O perfil de quem fuma no Brasil tem mudado com o passar dos anos. Segundo a pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), em 2018, 9% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar, sendo que em 2006, ano da primeira edição da pesquisa, esse percentual era de 15%. Nos últimos 13 anos, a população entrevistada reduziu em 40% o consumo do tabaco, o que reforça a tendência nacional de queda constante desse hábito nocivo à saúde.