Estudo feito pela Faculdade de Medicina da USP, em colaboração com a Universidade de Harvard, indica que 30% dos casos de qualquer tipo da doença estão relacionados à obesidade. Cerca de 15 mil casos presentes no Brasil poderiam ser evitados com redução do excesso de peso. Até 2015, este número pode chegar a 29 mil.

Exercícios – Para Ricardo Nakai, educador físico e diretor de Marketing da Akmos, empresa de saúde, nutrição e bem-estar, a obesidade está crescendo muito rápido. “Precisamos começar a nos exercitar o quanto antes. Sei que com a correria do dia-a-dia é difícil encontrar espaço para a prática de atividade física, mas temos formatos que se encaixam para quem tem pouco tempo livre”.

O formato indicado é o HIIT (High Intensity Interval Training), que é um treino intervalado de alta intensidade. Além da grande perda de calorias, esta prática proporciona ganho de condicionamento cardiorrespiratório e pode retardar o envelhecimento. É por causa de todos esses benefícios que Nakai constata: “Os treinamentos precisam estar na nossa rotina porque trazem grandes ganhos para a nossa saúde. Doze minutos é mais fácil de adicionar ao nosso dia a dia”.

Alimentação – Além da atividade física é preciso cuidar da alimentação. O nutricionista formado pela USP, Lucas Oliveira, afirma que o cardápio precisa ser variado, além de evitar os ultraprocessados. “Nós precisamos aliar a alimentação ao gosto da pessoa para diminuir a tendência à desistência”, destaca.

As gorduras insaturadas são uma das principais aliadas para balancear a alimentação. Alimentos como azeite, abacate e oleaginosas são exemplos que contribuem no processo de emagrecimento. Os suplementos alimentares também ajudam e são indicados para quem não consegue ter todos os nutrientes necessários no dia-a-dia.