5 – No Dia dos Avós, uma história de afeto para se inspirar

Há cinco anos, neto mantém tradição de jantar com a avó, portadora de Alzheimer, toda semana

Todas às quintas-feiras, o publicitário Marcos Borges Malta, 36, tem um encontro marcado: jantar com a avó Francisca Luzia dos Santos, 89, residente da Cora Residencial Senior do Tatuapé, a idosa com mobilidade reduzida e em estágio inicial de Alzheimer, sabe o dia exato da visita do neto e o espera com ansiedade, comentando com os funcionários e residentes sobre a vinda do jovem.

Segundo Marcos, o hábito do jantar semanal com a avó começou há cinco anos, após ele fazer parte de um grupo de trabalho voluntário. “Durante esse trabalho social percebi que na própria família tinha uma pessoa que também precisava de um pouco mais da minha atenção, minha avó”, conta Malta. E foi assim que o vínculo já estreito entre avó e neto se fortaleceu ainda mais.

Eles sempre moraram próximos, no bairro da Vila Matilde, em São Paulo – eram vizinhos. A presença da avó foi constante no seu desenvolvimento e com ela aprendeu algumas lições para a vida. “Uma das coisas que me inspira até hoje é a força da minha avó, que criou sozinha quatro filhas durante boa parte da vida, já que ficou viúva aos 46 anos”, revela.

A refeição sempre esteve presente na família – a tradicional comida de avó. Segundo Marcos, o bife que ela fazia ainda é o melhor que ele já comeu na vida. Ele se lembra do aroma da refeição até hoje, algo que marcou sua infância. Além disso, os pratos preparados com carinho por ela nas festas de final do ano faziam sucesso. Cerca de 30 pessoas se reuniam em torno da mesa. “A união sempre foi importante para a família e, a casa da avó, um ambiente acolhedor”, conta o neto.

O fato da avó morar em uma ILPI (Instituição de Longa Permanência para Idosos) não afetou a proximidade entre eles, isso porque na Cora Residencial Senior não há restrição de horários e datas para as visitas. “Há cerca de cinco meses, ela mora aqui. É a nova casa dela e venho aqui toda semana para jantar e conversar”. Especializada nos cuidados de idosos, a instituição promove uma série de atividades físicas e mentais e estimula o convívio social como forma de manter o idoso ativo, promover o envelhecimento saudável e minimizar o avanço de doenças, dentre elas, as demenciais.

Para Marcos, o jantar semanal não é apenas uma visita. As conversas sobre curiosidades da família, a rotina e também fatos do passado são formas de estimular a memória da sra. Francisca e uma oportunidade de estar próximo, dar atenção e ajudar nos cuidados.

Quando a família se reúne, Marcos e a mãe, Lucia de Fátima Santos se encarregam de buscar a avó no residencial e levá-la para participar. Foi assim no Dia das Mães e também no aniversário de uma prima.  O mesmo eles planejam para as festas de final de ano. “É importante ter esse calor humano, para ela e para a gente”, finaliza.

A senhora Francisca tem quatro filhas, 11 netos e dois bisnetos. Adora a música nordestina, principalmente, Luiz Gonzaga. Algumas letras ela lembra de cor e canta com voz pausada, seguindo o ritmo. O momento mais especial da semana é o encontro com o neto.


VEJA NOS LINKS ABAIXO MATÉRIAS RELACIONADAS

Dia dos Pais: no Brasil, perda de dentes e envelhecimento são questões sociais

1 – VÁ VIVER!

2 – Uma questão de saúde bucal e autoestima

3 – Longevidade e romance

4 – A reinvenção da velhice e o fim da pirâmide populacional

5 – No Dia dos Avós, uma história de afeto para se inspirar