Além de inúmeras queimaduras, quebras de dentes e mandíbulas, e até a morte de um jovem americano pela explosão de um cigarro-e em seu rosto cortando a circulação sanguínea cerebral, há menos de um mês cigarro eletrônico explodiu em bolso de morador de Ohio, EUA, mesmo estando desligado.

“Caí no chão e rolei para apagar o fogo. Foi pior do que quando fui atropelado”, disse o adicto, que afirma já haver entrado na Justiça por perdas e danos contra a empresa coreana que produziu o produto.

A boa notícia do mês fica por conta da iniciativa de US$ 20 milhões de Michael Bloomberg, que já investiu mais de US$ 1 bilhão em ações antitabagistas, para lançar uma plataforma on-line que trará uma lista de empresas que contribuem para promover a indústria tabagista.