Série especial da revista The Lancet aponta crise mundial da saúde bucal

Tema fará parte da Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Cobertura Uni versal de Saúde (UHC), 23/9 em Nova York

A Federação Dentária Internacional (FDI) elogia a série especial da revista The Lancet que denuncia o estado de crise da saúde oral e desafia a comunidade global “a acabar com a negligência” nessa área. A série liderada por pesquisadores da University College London reuniu 13 especialistas de 10 países para determinar por que as doenças orais persistiram globalmente nas últimas três décadas.

As doenças orais, como cárie dentária, doença gengival e câncer oral, são as doenças crônicas mais comuns no mundo, afetando cerca de 3,5 bilhões de pessoas. Apesar disso, a saúde oral tem sido amplamente ignorada pela comunidade global de saúde e, como resultado, a saúde oral deficiente é uma epidemia silenciosa.

A série chega num momento crucial antes da primeira Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Cobertura Universal de Saúde (UHC), na qual os países se comprometerão a acelerar o progresso para alcance da cobertura universal de saúde. A FDI acredita que a saúde oral deve fazer parte da atenção primária de saúde.

WHO/UHC – Durante o  World Oral Health Forum at the ADA FDI World Dental Congress, os membros debaterão evidências, estratégias e soluções essenciais para impedir que os governos negligenciem e marginalizem a saúde oral e forneçam um roteiro para tornar a saúde oral ideal uma aspiração global e um componente essencial dos pacotes universais e primários de saúde.

Ônus  global – “A medicina dentária (como é chamada a Odontologia na Europa) está em estado de crise … e é necessária uma abordagem fundamentalmente diferente para enfrentar efetivamente o ônus global das doenças orais”, afirma o prof. Richard Watt, presidente e consultor honorário em Saúde Pública Dentária da University College London e também autor líder da série da Lancet.

A publicação defende uma abordagem global das doenças orais, o que  constitui um grande desafio de saúde pública e requer a mudança do foco do paradigma de tratamento existente para um que enfatize a prevenção de doenças e a promoção da saúde.

Compromisso da FDI – A FDI está comprometida em enfrentar este desafio assumindo um papel de liderança no trabalho com as suas associações nacionais de Odontologia, entre elas a Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD), parceiros e outras organizações internacionais de saúde. Uma das estratégias básicas do FDI é garantir a prevenção e o controle das doenças orais, tanto no nível governamental quanto no nível populacional.

Ebook – Prova dessa  atitude é a publicação do Ebook Prevenção do Câncer Bucal publicado pela Regional ERO da FDI sobre Prevenção do Câncer Bucal e que será lançada no Brasil e nos países de língua portuguesa pela Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD), em breve, com prefácio de seu presidente, Silvio Cecchetto (foto).

Fatores de risco – Os pesquisadores alertam que o ônus das doenças orais deve aumentar, à medida que mais pessoas são expostas aos principais fatores de risco para doenças orais, incluindo açúcar, tabaco e álcool. O relatório destaca o açúcar como uma fonte importante que alimenta a crise da saúde oral – é o principal fator de risco para cáries dentárias, a doença não transmissível mais comum e evitável em todo o mundo. A FDI apoia totalmente a recomendação do relatório para implementar a diretriz da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a ingestão de açúcar com o objetivo de prevenir a cárie dentária e incentiva os países a consultar o guia prático da FDI sobre açúcares e a cárie dentária.

Há evidências sólidas de que manter a ingestão de açúcares livres para menos de 10% do consumo total de energia reduz o risco de sobrepeso, obesidade e cárie dentária.

Fontes:

The Lancet – séries especiais sobre Saúde Oral

World Dental Federation (FDI)

Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD)