E N S I N O

Capes anuncia a abertura de 1,8 mil bolsas de pós-graduação com foco em cursos de áreas estratégicas, como energia, saúde e meio ambiente. Estados poderão contar com financiamento privado para complementar apoio da coordenação. Programas em fase inicial, e com notas 3 e 4 são prioritários.

“O foco é a melhoria dos programas de pós-graduação considerados estratégicos em função das políticas estaduais”, afirmou o presidente da Capes, Anderson Correia. “Essa articulação vai ser feita em parceria com as fundações de amparo dos estados, universidades e institutos de pesquisa.”

Áreas exemplos – Programas que estudam energia, mobilidade, saúde, meio ambiente e gestão foram citados como “áreas exemplo”: elas terão preferência na oferta de bolsas, mas Correia garantiu que esta lista não é fixa e que particularidades de cada estado serão consideradas durante a distribuição das vagas.”Em Minas Gerais e no Centro-Oeste, pesquisas que envolvem agronegócio serão valorizadas; no Amazonas, o meio ambiente e ecologia”, destacou.

Cursos nota 3 e 4 – O presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), Evaldo Ferreira Vilela, explicou que neste momento cursos mais novos, criados há menos de 10 anos, e com avaliação entre 3 ou 4 terão preferência na hora de receber o investimento.

“Vamos trabalhar muito mais os cursos emergenciais, [de qualificação] 3 e 4 que não foram contemplados até recentemente, e vamos trabalhar para que eles mudem de patamar”, defendeu Vilela. “Não é simplesmente um apoio continuado, temos que mudar de patamar, temos que fazer melhor o que já fazemos.”

Haverá autonomia dos estados para apresentar quais são suas necessidades que serão avaliadas em conjunto com as fundações de amparo a pesquisa e à própria coordenação.

Descontingenciamento – O presidente da Capes disse que esta liberação é consequência do descontingenciamento dos recursos feito na semana passada pelo Ministério da Educação. Além disso, disse que as propostas acompanham a expectativa da elevação do orçamento para a pasta no ano que vem.