Segundo Pesquisa publicada na Revista Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, as maiores prevalências de associações com uso de drogas são tabagismo, etilismo, relacionamento parental conflituoso, escolas públicas e não participar de religião.

A pesquisa verificou ainda a associação do uso de drogas com distúrbios psiquiátricos, ambientes urbanos, maior escolaridade materna, ausência ou limitada supervisão parental dos filhos, experiências com episódios de agressão e vida sexual ativa.

Nesse contexto, a escola é apontada pelos autores do trabalho, como campo de ação ideal para a implementação de práticas preventivas, desde que com maior comprometimento e participação financeira dos setores público e privado, principalmente em relação ao uso de álcool e tabaco, que se mostraram como os principais fatores de risco para experimentação e uso de drogas ilícitas.

O estudo é uma revisão de 15 artigos encontrados em bases de dados pré-determinadas utilizando-se dos descritores estudantes e drogas ilícitas cruzados selecionados através de critérios pré-definidos de inclusão e exclusão. A partir dos dados tabulados foram feitas análise descritiva e qualitativa dos fatores levantados e análise qualitativa dos resultados dos artigos.

O artigo “Uso de drogas ilícitas por estudantes adolescentes: uma revisão narrativa” é de autoria de Camila Teixeira Campos, Danilo Ramos, Rubens José Loureiro e Yago Abreu de Oliveira.

SERVIÇO

Acesse o artigo na íntegra em https://doi.org/10.26432/10.26432/1809-3019.2019.64.3.237

Fonte: faculdade de Ciências Médicas Santa Casa de São Paulo