P E S Q U I S A

Nova pesquisa  no Reino Unido aponta que fumantes e pessoas que bebem muito ​​estão mais predispostas a desistir dos seus hábitos prejudiciais se estiverem cientes dos vínculos com o câncer oral. Um em cada 2 fumantes (50%) deixaria de fumar se soubesse que aumentava o risco de câncer oral, enquanto 4 em cada dez (40%) alcoólatras ​​estariam dispostos a reduzir o consumo da bebida.

Novas descobertas mostram que pouco mais de um terço (38%) dos 7,2 milhões de fumadores do Reino Unido não sabem que o tabaco causa câncer bucal, enquanto metade (50%) de todos os que bebem muito ​​não sabem que o uso excessivo de álcool está relacionado à doença.

O ex-fumante Stuart Caplan diz: “Apesar de deixar de fumar e beber há uma década fui diagnosticado com câncer na boca. Tive 20% de chance de sobreviver um ano, mesmo com cirurgia. Isso foi há seis anos e, felizmente, eu superei as probabilidades.”  Ele  teve retirados 2/3 da língua, assim como muitos dos músculos e tecidos em redor da cabeça e do pescoço. A cirurgia foi um sucesso e o câncer desapareceu. “No entanto, ainda hoje estou a tentar que lidar com os efeitos colaterais, incluindo reaprender a comer e conversar.”

No Reino Unido, 8.337 pessoas foram diagnosticadas com câncer oral no ano passado. Consequentemente, o número de casos dobrou na última geração. Fumar e álcool são os dois maiores fatores de risco ligados à doença e, juntos, triplicam o risco de câncer oral.

Cerca de dois em cada três casos de câncer oral são causados ​​pelo fumo e cerca de um em cada três tem uma ligação com o álcool. Quando sob influência do álcool, os britânicos têm maior probabilidade de recorrer a alimentos não saudáveis ​​(18%), não escovar os dentes (9%) e fumar (9%).

Mais informações sobre hábitos de vida: www.mouthcancer.org.