A Diretoria do Conselho Federal de Odontologia, cumprindo deliberação do Plenário, no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 4.324, de 14 de abril de 1964, regulamentada pelo Decreto n.º 68.704, de 03 de junho de 1971, e devido à declaração da OMS, que classificou como pandemia a doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19), e as orientações do Ministério da Saúde para estabelecer medidas de proteção para o enfrentamento da emergência em saúde pública de decorrente do novo coronavírus (COVID-19),resolve admitir, no Art.1, como exceção, os casos em que estando o paciente obrigatoriamente sob supervisão direta de cirurgião-dentista, este realize a troca de informações e opiniões com outro cirurgião-dentista, com o objetivo de prestar uma melhor assistência ao paciente.

Será admitido o telemonitoramento realizado por cirurgião-dentista, que consiste no acompanhamento a distância dos pacientes que estejam em tratamento, no intervalo entre consultas, devendo ser registrada no prontuário toda e qualquer atuação realizada nestes termos.

Admite-se também, enquanto durar o estado de calamidade pública declarado pelo Governo Federal, a teleorientação realizada por cirurgião-dentista com oobjetivo único e exclusivo de identificar, através da realização de questionário pré-clínico, omelhor momento para a realização do atendimento presencial.

Veja as informações completas no site do CFO :
Site: www.cfo.org.br ou http://www.crosp.org.br/uploads/arquivo/e1eb52fada70ddc938113152ba2b9cea.pdf