Joaquim José da Silva Xavier, herói brasileiro, mártir da Inconfidência Mineira e patrono da Odontologia, nasceu em Minas Gerais, em 12 de novembro de 1746.

Tiradentes perdeu a mãe aos nove anos e, o pai, dois anos mais tarde. Era o quarto filho de um total de nove. Com a morte prematura dos pais, logo a família perdeu as propriedades por causa de dívidas. Pouco se sabe sobre seus irmãos, mas Tiradentes foi criado por seu tio e padrinho, Sebastião Ferreira Leitão, que era cirurgião-dentista.

Com o tio, Tiradentes aprendeu o ofício de dentista. Por ter habilidade para extrair dentes, recebeu ainda jovem o apelido de Tiradentes.

Mesmo sem ter frequentado uma escola, Tiradentes aprendeu muito sobre uso medicinal de plantas com seu primo José Mariano da Conceição Velloso, importante botânico da época. Inteligente, Tiradentes aplicava esse conhecimento no ofício de dentista, o que deveria proporcionar melhores resultados nos atendimentos.

Trabalhou no exército, como alferes, foi comerciante e mineiro. Participou do movimento que buscava liberar o Brasil de Portugal. O movimento foi denunciado por Joaquim Silvério dos Reis. Tiradentes foi preso em 1789. Morreu como traidor da pátria, enforcado, no Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1792. Foi esquartejado e as partes de seu corpo ficaram expostas em locais públicos de grande circulação em diferentes cidades.

Com a proclamação da República, a imagem de Tiradentes foi resgatada e elevada à condição de herói nacional.

A partir de 1960 a União Odontológica Brasileira (U.O.B) proclamou Tiradentes Patrono da Odontologia Brasileira.

O dia 21 de abril tornou-se feriado nacional em 9 de dezembro de 1965, pela Lei No. 4.897, na presidência do marechal Castelo Branco, que também instituiu o título de “patrono cívico da Nação Brasileira” a Tiradentes.

Fontes: ABCD Nacional – ABO Nacional – CFO e ABORJ