O impacto das doenças crônicas no atual cenário da pandemia e lançamentos de dois materiais internacionais foram destaques do 8º encontro do Fórum DCNTs da Organização Mundial e Saúde (OMS) Desafio – As doenças crônicas são um dos principais desafios de saúde pública nos países da América, desde a qualidade de vida, os serviços de atendimento e, atualmente, o elevado índice de mortalidade de pessoas com essas condições quando infectadas pelo novo coronavírus.

A proposta do FórumDCNTs é identificar prioridades e promover parcerias entre instituições dos setores público, privado e terceiro setor para contribuir ao combate da causa de mais de 75% das mortes no Brasil. “Além de fortalecer os esforços no enfrentamento dessas doenças, o encontro abordou o importante papel das parcerias em saúde nas questões de prevenção, tratamento e controle dessas doenças, dentre elas: diabetes, hipertensão arterial, câncer, doenças vasculares, doenças respiratórias, saúde mental e obesidade”, conta o coordenador do Global Diabetes – FórumDCNTs, Dr. Mark Barone, Doutor em Fisiologia Humana pela USP, e Especialista em Educação em Diabetes.

Meio bilhão no mundo – Uma das doenças com maior prevalência, o diabetes, possui, atualmente, meio bilhão de pessoas acometidas no mundo. Como o aumento na incidência dessa condição vem preocupando especialistas, o evento também foi palco do lançamento do Global Diabetes Compact no Brasil. O material, produzido pela OMS com a colaboração de especialistas de diferentes setores e países, incentiva ações que contribuem para melhorias de acesso aos tratamentos e uma reconstrução otimizada dos sistemas de saúde, levando em conta o que estamos aprendendo com as experiências da pandemia.

Obeso gênico –  “Empoderar pessoas com diabetes e elevar o nível de letramento e educação em saúde em populações de risco pode levar a importantes resultados para a prevenção de DCNTs e suas complicações”, analisa o especialista ao enfatizar que as ações sobre os fatores de risco ainda são limitadas e que vivemos em um ambiente descrito como obeso gênico, pessoas que favorecem comportamentos não saudáveis.

O assunto está no relatório da OMS “Nothing for us, without us”, que descreve como e por que engajar pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e alterações de saúde mental ou neurológica, para a efetividade de programas e políticas dedicadas a essas condições.

COVID-19  e a piora da saúde – Durante o 8° encontro foram relatados desafios atuais associados ao fato de os grupos de pessoas com DCNTs terem mais risco de agravamento e morte por COVID-19. A Profa. Dra. Deborah Malta (UFMG), uma das principais pesquisadoras de doenças crônicas no país, destacou aumento de comportamentos não saudáveis da população em geral, mas ainda mais pronunciado em pessoas com DCNTs, que relatam também piora de sua saúde. Com isso, os especialistas alertaram para uma aceleração no aumento da prevalência de obesidade e outras DCNTs e desenvolvimento de complicações como doença renal crônica, infarto e AVC entre aqueles que já têm diabetes, hipertensão, dislipidemia e não estão conseguindo atendimento, medicamento ou manter hábitos saudáveis necessários para o manejo dessas condições.

Veja mais, além de gravação de todos os trechos do evento em

https://www.forumdcnts.org/post/8-encontro-forumdcnts

Fotos do evento em: https://www.forumdcnts.org/fotos-8-encontro-forumdcnts
Fonte: Kelly Ortiz – kellyortiz@rspress.com.br