Cadastre seu e-mail

 
Ano X nº 151 -

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

Chegar aos 100 anos será cada vez mais comum

Otávio Gebara

 

Mudanças no estilo de vida, na rotina de trabalho e na abordagem clínica contribuem para viver mais e melhor

 

Estudo recentemente divulgado na publicação científica The Lancet revela que metade da população atual de bebês chegará aos 100 anos – pelo menos os nascidos nos países ricos. De acordo com Kaare Christensen, coordenadora das pesquisas realizadas numa universidade da Dinamarca, a expectativa de vida vem aumentando em ritmo acelerado e exigindo que a sociedade se prepare para um novo arranjo entre jovens e velhos.

Kaare diz que se o século 20 foi um período de redistribuição de renda, o século 21 deverá promover a redistribuição de trabalho. Uma das soluções propostas é diminuir a carga horária de trabalho semanal, aumentando o tempo de dedicação ao lazer e à educação. Mas é a abordagem nos tratamentos de pessoas com mais de 80 anos que deverá sofrer grandes mudanças.

Com o envelhecimento da população e os casais tendo cada vez menos filhos, não só a ciência já se deu conta das novas demandas que se apresentam, como outras esferas da sociedade começam a introduzir mudanças com base nessa realidade que se apresenta mesmo no Brasil, onde a expectativa de vida também aumentou consideravelmente nos últimos anos. , diz o cardiologista Otávio Gebara, diretor clínico do Hospital Santa Paula.

Além de insistir na prevenção de doenças, a classe médica deverá adotar novas abordagens nos próximos anos para garantir que pacientes com mais de 80 anos possam controlar problemas de saúde e ainda assim ter uma boa qualidade de vida.  Independentemente da idade e da expectativa de vida, a ciência já se dá conta da importância de se adotar algumas medidas que preservem o bem-estar do paciente. Isso tem levado a grandes avanços em termos de diagnóstico precoce de doenças e a tratamentos mais assertivos também.

Os vilões da terceira e quarta idades

O sedentarismo é epidêmico na terceira idade, já que aproximadamente 80% das pessoas com mais de 65 anos não praticam quaisquer exercícios físicos, contribuindo de maneira significativa para a obesidade. O excesso de peso está intimamente ligado à síndrome metabólica, que é um conjunto de fatores de risco que pode desencadear diversas doenças e abreviar a vida do paciente.

Hipertensão, altos níveis de açúcar, colesterol e triglicerídeos no sangue... Todo esse conjunto não parece estar somente diretamente ligado a doenças do coração e do cérebro, mas também ao aumento de casos de câncer. Via de regra, quem quer viver mais e com saúde deve abandonar definitivamente o cigarro, evitar o consumo excessivo de álcool, combater o sedentarismo a todo custo, adotar uma dieta rica em vegetais e pobre em açúcar e sal. Isto sem falar na necessidade de manter alto astral e o stress sob controle.

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PubE151 01032010

Otávio Gebara, médico cardiologista, diretor clínico do Hospital Santa Paula, de São Paulo (www.santapaula.com.br) e coautor do livro “Coração de Mulher

 

VEJA MAIS ARTIGOS&CRÔNICAS

 

3º Setor | Anuncie | Arquivo JSO | Bastidores | Estatística | Expediente | Legislação | Fale com o JSO | Mural/Cartas | Utilidade Pública

Copyright @ 1999 Edita Comunicação Integrada. Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito.
Melhor visualização 1024x768pixels