Ano X nº 146-

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

Portal do Consumidor

Viagens


Real deve fazer parte de
novo sistema monetário global

Segundo o investigador financeiro George Soros, o yuan, da China, e o Real, do Brasil, são moedas fortes e devem fazer parte do processo de uma nova ordem.

Os mercados financeiros recuperaram e voltam a funcionar, e a economia global, que ficou congelada por um tempo, volta a se movimentar, mas o choque causado pela crise financeira que atingiu o mundo todo vai demorar a ser absorvido, disse o multimilionário investidor George Soros, em entrevista ao diário financeiro britânico "Financial Times" ("FT"). Ele defendeu ainda que o real seja uma das moedas em um sistema monetário reformulado.

"Há uma retomada, mas acho que os fatos da crise vão levar um longo tempo para serem absorvidos pelo mundo, e a principal fonte do problema são os Estados Unidos", disse Soros. "É lá que os consumidores gastaram mais do que ganharam por 25 anos; onde temos um deficit em conta corrente acumulado que chegou a 6,5% no pico, que poderia na verdade ter ido além porque há outros países, principalmente a China, que estavam muito felizes em manter um superavit contínuo em seu comércio e financiar nossa dívida".

Os americanos, no entanto, ficaram muito endividados, e é o consumo que responde por mais de 70% da economia americana, acrescentou. "É o consumidor que tem de cortar [seus gastos], e isso vai levar um tempo”. O sistema bancário estava basicamente quebrado, mas sua recuperação está ocorrendo a um ritmo rápido, diz Soros, porque tomam emprestado com juro zero e compram títulos do governo de 10 anos, que rendem 3,5%. "Isso é um ritmo bastante rápido para um investimento sem risco", afirmou.

China, dólar e real

Soros disse que há uma falta de confiança na força do dólar como moeda de reserva e destacou a busca por alternativas, mesmo de moedas para ativos reais. Nessa reforma, a China teria de representar um papel de maior destaque em uma nova "ordem financeira mundial". Como membro do FMI a China é relutante,e é preciso ela se integre em um processo de criar uma nova ordem, afirmou.

"É necessário um novo sistema de moedas, e os SDR [Direitos Especiais de Saque, na sigla em inglês, do FMI] de fato fornecem as linhas gerais de um sistema", afirmou. Segundo ele, o yuan e mesmo o real teriam de fazer parte da cesta de moedas que compõem os SDR. "O [yuan] deveria ser parte das moedas usadas nos SDR, e isso faria os chineses participarem (...) Acho que o real, do Brasil, deveria ser parte". O SDR é um ativo criado pelo FMI em 1969, com base numa cesta das principais moedas do mundo, para complementar as reservas oficiais dos países-membros com uma referência menos instável que o padrão-dólar/ouro.

 

Fonte: Folha Online

 

Ed.146_29/10/2009

 

Veja mais notícias de CASH

 


 


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito