Ano X nº 146-

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

Portal do Consumidor

Viagens


Mesmo após crise, planos de saúde
ainda sofrem seus efeitos

Necessidade de operadoras elevarem preços e de empresas diminuirem gastos faz com que elas adotem opções mais baratas.

Economistas afirmam que o Brasil já está saindo da recessão econômica que assolou o mundo inteiro desde meados do ano passado. Entretanto, os usuários de planos de saúde, especialmente aqueles contratados por meio da empresa em que trabalham, ainda sofrem com os efeitos da crise.

Isso porque, segundo o superintendente executivo do Iess (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar), José Cechin, com a crise, muitas operadoras de planos de saúde viram suas despesas aumentarem devido à maior procura por parte dos usuários. Ele explicou que, em períodos de crise, as pessoas tendem a fazer mais exames por medo de perder o emprego e, consequentemente, o plano, fazendo com que as operadoras pressionem para reajustar preços.

Por outro lado, a empresa que contrata um plano de saúde para o seu trabalhador também é impactada pelos efeitos da crise, não podendo arcar com um aumento de custos, o que a faz procurar alternativas, nas quais, em alguns casos, quem sai perdendo é o usuário.

Alternativas

Dentre as alternativas encontradas pelas empresas está a migração para planos mais baratos ou a participação do funcionário no pagamento do benefício. "As operadoras não querem perder clientes e as empresas querem continuar oferecendo o benefício aos seus empregados, então as duas, geralmente, acabam adaptando os contratos, migrando para planos mais em conta. Por exemplo, saindo de um que tem abrangência nacional para outro que é regional, alterando os percentuais de reembolso, entre outros", disse.

Quando tais mudanças acontecem, o funcionário não pode tomar nenhuma providência, visto que o benefício do plano de saúde é uma cortesia da empresa ao funcionário, não tendo ela a obrigação de oferecê-lo.

 

Fonte:Infomoney

 

Ed.146_29/10/2009

 

Veja mais notícias de CASH
 


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito