Ano X nº 146 -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens


 

Raridades do artista Rodin

Mostra em cartaz em São Paulo mostra, além de esculturas do artista, 193 imagens raras pertencentes ao seu gigantesco acervo.

A peça em bronze "As Três Sombras (1902-1904)", de Auguste Rodin (1840-1917), pesa 1,3 tonelada e pela primeira vez saiu dos jardins do museu que leva o nome do escultor, em Paris, para abrir a exposição que está em cartaz no Museu de Arte de São Paulo (Masp). Apesar de monumental, trazê-la para o Brasil não é a única raridade que cerca a mostra "Rodin: Do Ateliê ao Museu - Fotografias e Esculturas", 193 imagens raras do artista foram selecionadas para a exposição, apresentada anteriormente na Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte (MG).

As 193 imagens selecionadas para a exposição, realizadas entre 1880 e 1910 e pertencentes ao gigantesco acervo do artista (com mais de sete mil fotos), são tão frágeis que depois da mostra no Masp regressarão direto para a reserva técnica do Musée Rodin para ficarem "em repouso" por mais de 20 anos, como assegura a curadora Hélène Pinet.

"É um conjunto precioso, que foi mostrado pela primeira vez em Paris, entre 2007 e 2008, e depois veio para essas duas etapas no Brasil", disse Hélène, que integra a equipe de curadoria do Museu Rodin há 33 anos, ao site Último Segundo. Na França, a mostra reunia apenas as fotografias, mas para contextualizar as peças – e aprimorar a exposição para o público brasileiro –, foi agregada seleção de esculturas de Rodin que dialogam com as imagens.

Mas o mote principal mesmo da mostra, com caráter inédito, é apresentar a entrada de fotógrafos – conhecidos e anônimos –, ou melhor, da fotografia, no cotidiano de criação do escultor e na maneira como exibia suas obras (em 1896, ele expôs pela primeira vez, em Genebra, suas esculturas ao lado de imagens).

O primeiro segmento, O Ateliê, identifica a entrada, a partir de 1880, de fotógrafos no ambiente de criação do escultor, principalmente, pelo interesse do artista de ter consigo material para divulgação de suas obras. Seguindo o percurso, na segunda sala da mostra já se vê uma mudança na relação entre a fotografia e o processo de Rodin. Estão os trabalhos de Eugène Druet, contratado quando jovem pelo escultor, e de Jacques-Ernest Bulloz, que conheceu o artista em 1903. Por meio de depoimentos e de críticas escritas na época, sabe-se que Druet foi o fotógrafo preferido de Rodin – e foi ele quem várias vezes declarou que o escultor tinha o hábito de "dirigir" seu trabalho fotográfico.

As experimentações no campo da fotografia vão ganhando cada vez mais destaque, principalmente, com os trabalhos de criadores do movimento pictorialista do início do século 20. Rodin abriu as portas de seu ateliê e de sua casa para os jovens ingleses "amadores" Stephen Haweis e Henry Coles criarem obras únicas, muitas delas, feitas em espaços exteriores como jardins. Mas o grande destaque da exposição fica no final, na sala dedicada às fotos de Edward Steichen. O fotógrafo realizou uma série que já entrou para a história da fotografia, a de 1908 em que retrata a penúltima versão do Balzac de Rodin (a peça está na mostra) em lugar externo, usando a luz da noite.



Serviço – Rodin: Do Ateliê ao Museu

De 28 de outubro a 13 de dezembro de 2009
Museu de Arte de São Paulo (Masp)
De terça a domingo, das 11h às 18h (nas quintas, até às 20h)
Ingressos: R$ 15 (grátis às terças)

 

Fonte: Último Segundo

 

Edição 146 - 28/10/2009

 

LEIA MAIS SOBRE LAZER&CIA


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito