Ano X nº 147 -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens


Destaques do grafite nacional invadem o MASP

“De dentro para fora, de fora para dentro” expõe obras de Zezão e Titi Freak. Esta é a primeira vez que a instituição recebe uma mostra do gênero

O Museu de Arte de São Paulo (MASP) recebe pela primeira vez a arte das ruas, que invadiu as galerias com grafites para romper os preconceitos em torno de uma expressão "marginal e sempre mal vista", segundo os próprios artistas. Na exposição "De dentro para fora, de fora para dentro", seis brasileiros saíram dos muros para mostrar seu trabalho em um dos museus mais reconhecidos da América Latina, que em 63 anos de existência jamais recebeu este tipo de expressão. "São artistas muito ricos em linguagem, pertencem a mesma geração, mas têm estilos muito distintos", explicou Baixo Ribeiro, curador da exposição, ao France Press.

A ideia do projeto foi integrar em uma mesma sala seis estéticas diferentes de arte das ruas para ocupar este espaço em branco. Com esta exposição a "arte da rua adquire mais reconhecimento" entre o público brasileiro e permite "romper os preconceitos de uma arte marginal e que sempre foi mal vista", disse Zezão, que apresenta grafites, fotografias e uma instalação com vídeo.

A especialidade de Zezão são as redes de drenagem e esgotos da cidade, que grafita e depois volta para observar como seu trabalho se integrou ao ambiente e passou a fazer parte dele. Apesar de expor na Europa e no Canadá, "porque é preciso viver de algum trabalho", Zezão disse que sua arte de rua é um presente ao povo: "na galeria a arte se vende, nas ruas ela é dada". De fato, a arte de rua é uma corrente que exige uma certa sensibilidade do artista para se relacionar com o público, porque "se grafita uma parede e alguém não gosta, no dia seguinte o trabalho desaparece", explicou Ribeiro.

Titi Freak leva ao extremo sua proposta e combina a desordem das ruas com a estética disciplinada dos japoneses, com grandes rostos geométricos em negro, vermelho e branco. Trata-se de "um pintor gestual, pinta muito com o corpo", disse Ribeiro sobre a técnica de trabalho de Titi. Já Ramón Martins apresenta um desenho rebuscado e complexo, um quebra-cabeça gigante que sai da parede e se estende como uma longa mancha pelo chão, de forma sinuosa.

As caveiras e as cruzes com estruturas geométricas são o fetiche de Stephan Doitshinoff, que montou uma instalação em forma de "capela", com Bíblias abertas que mostram o caminho para o altar e uma cruz central com Jesus pintado com espinhos por quase todo o corpo. Segundo Baixo Ribeiro, o estilo das ruas vem para satisfazer uma nova gama de consumidores que já não se sente atraída pela arte limpa e nítida. "O público jovem procura uma coisa mais suja", explicou. E é este novo público que o MASP, que possui a maior coleção de arte europeia da América Latina, quer agregar aos seus 2.500 visitantes diários.

Fonte: France Press


 

Edição147_ 26/11/2009


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito