Cadastre seu e-mail

 
Ano X nº 151 -

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

LAZER&CIA

01/03/2010

 

 

Aos 69, dramaturgo espanhol volta mais radical ao Brasil

É comum José Sanchis Sinisterra perguntar a si mesmo: "Onde estou errando? Como posso melhorar?". Foi procurando respostas que ele, frequentemente apontado como o maior dramaturgo e diretor espanhol da atualidade, desembarcou em São Paulo, em 30 de janeiro, para dirigir a companhia As Magnólias na montagem de sua peça "Flechas do Anjo do Esquecimento", que está em cartaz no Sesc Pinheiros.

Quando o espetáculo estreou na Espanha, em 2004, Sinisterra não ficou satisfeito. "Errei na escolha de dois atores e fui pouco radical. Desta vez, quero ser mais radical", disse ele à reportagem da Folha de São Paulo, que vai completar 70 anos em junho. "Flechas", primeira montagem de As Magnólias –formada por Eveline Maria, Gabriela Fontana e Patrícia Gordo, com atores convidados – conta a história de X, uma mulher que perde a memória e recebe, em uma clínica, a visita de quatro pessoas. Cada uma delas é uma voz do passado que tenta dar a X uma vida e uma identidade.

Para ser mais radical na montagem brasileira, o espanhol está submetendo o elenco a um "processo caótico de criação", que começa pelo corpo do ator e só depois entra no texto teatral. "Cada personagem tem movimentos minimalistas que se repetem. Eles são prisioneiros de condutas cíclicas", disse Sinisterra. "Temos a ilusão de que a vida humana é linear, mas ela é repetitiva --fodidamente repetitiva."

O autor gosta de trabalhar com atores brasileiros. Sua primeira montagem no país foi "Ñaque", em 1991, com a atriz Cristiane Jatahy no elenco. "O ator brasileiro é mais livre, mais flexível, tem um corpo criativo e inteligente", disse ele. "Ele está sempre inovando e revendo seu próprio trabalho. É muito profundo na sua investigação de dramaturgia", contou Jatahy, que pretende montar, com Ana Beatriz Nogueira e Caio Blat, "Deixe o Amor de Lado", texto inédito de Sinisterra.

Presunção proibida – Desde que começou a escrever para teatro, há 50 anos, Sinisterra produziu praticamente um texto por ano, com um intervalo na década de 1970 que ele define como sua "travessia do deserto", quando se dedicou mais a dar aulas. "Casei jovem, tive minha primeira filha e precisava de dinheiro."

Foi com as peças "Ñaque, Piolhos e Atores" (1980) e "Ai, Carmela!" (1986) – levada ao cinema em 1990 pelo cineasta espanhol Carlos Saura – que Sinisterra nasceu para o mundo. De lá para cá, venceu os prêmios teatrais mais importantes da Espanha, como o Federico García Lorca, o Max e o Prêmio de Honra do Instituto do Teatro de Barcelona.

A partir de 1985, ele passou a ministrar oficinas de dramaturgia em diversos países. A América Latina é um destino recorrente --daí ele ser tão encenado no Brasil, Argentina e Chile. Para minar a presunção dos alunos, ele inicia suas oficinas dizendo: "Aqui é proibido escrever obras de arte".

FLECHAS DO ANJO DO ESQUECIMENTO
Quando: ter. e qua., às 20h30; até 30/3
Onde: Sesc Pinheiros - teatro Paulo Autran (r. Paes Leme, 195, tel. 3095-9400)
Quanto: de R$ 3,50 a R$ 15
Classificação indicativa: 10 anos

Fonte: Folha de S. Paulo

 

 

 

VEJA MAIS EM LAZER&CIA

 

3º Setor | Anuncie | Arquivo JSO | Bastidores | Estatística | Expediente | Legislação | Fale com o JSO | Mural/Cartas | Utilidade Pública

Copyright @ 1999 Edita Comunicação Integrada. Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito.
Melhor visualização 1024x768pixels