Ano X nº 147 -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens


Apple assume posto de maior fabricante de celulares

A Apple superou a Nokia no terceiro trimestre como a fabricante de celulares a gerar maior lucro operacional na indústria de celulares, de acordo com a empresa de pesquisa Strategy Analytics.
A Apple, que entrou no mercado de celulares apenas em meados de 2007 com seu iPhone, vendeu um recorde de 7,4 milhões de aparelhos no terceiro trimestre. "Com os fortes volumes, altos preços no atacado e estreito controle de custos, a fabricante de computadores teve sucesso no mercado de telefones móveis com apenas dois anos nesse segmento", disse o analista Alex Spektor, da Strategy Analytics.

A Apple não revela o lucro por linha de negócio, mas a empresa de pesquisa estima que o lucro operacional da Apple com o iPhone atingiu US$ 1,6 bilhão no terceiro trimestre, comparado a US$ 1,1 bilhão da Nokia. A Apple tem dito que as vendas de iPhones de julho a setembro totalizaram US$ 4,5 bilhões.

A Nokia vendeu 108,5 milhões de aparelhos no mesmo período, gerando receita de 6,9 bilhões de euros (US$ 10,36 bilhões). Mas seus lucros foram atingidos pela desaceleração econômica e por uma presença fraca nos Estados Unidos. O market share da Nokia no mercado global de celulares ainda está perto dos 40%, mas nos EUA a fatia da empresa é inferior a 10%. "Acreditamos que os EUA, onde a Nokia está atrás da Apple, é chave para recuperação da Nokia em 2010", disse o analista Neil Mawston.

Fonte: Reuters

 

 

ED. 147 - 17/11/2009

 

Veja mais notícias de NA REDE

 


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito