Ano X nº 141  -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens


Pesquisadores da UFSCar inovam no tratamento de hipersensibilidade

O tratamento da hipersensibilidade deverá ganhar um novo aliado com o lançamento do Biosilicato, material que promete combater a dor local com a reconstituição da dentina produzido pela empresa Vitrovita Bio, formada por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O Biosilicato da Vitrovita é um material depositado na abertura dos microtubos da dentina, formando uma camada contra a movimentação de fluidos quentes ou gelados até o nervo, situação que provoca a hipersensibilidade. A grande vantagem desse novo material – bioativo, formado por silício, sódio, potássio, cálcio e fósforo – seria sua capacidade de reagir e se fixar ao esmalte dentário, o que possibilitaria tratamentos mais rápidos. “Poucos minutos depois de sua aplicação, o Biosilicato induz a formação no local de uma camada de hidroxiapatita, substância que possui a mesma composição química e estrutura do tecido mineral dos dentes e ossos”, explica o engenheiro de materiais Edgar Dutra Zanotto, professor do Laboratório de Materiais Vítreos do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar e um dos sócios da empresa.

O Biosilicato não possui nenhum efeito tóxico, e, segundo Zanotto, pode ser usado também para a remineralização do esmalte após tratamento de clareamento, recomposição da massa óssea em Periodontia e proteção pulpar.

Os estudos que deram origem ao Biosilicato tiveram início em 2001 e fizeram parte da dissertação de mestrado do engenheiro de materiais Christian Ravagnani, sócio da Vitrovita, orientado por Zanotto e pelo professor Oscar Peitl. Também participaram do projeto pesquisadores da Faculdade de Odontologia e de Ciências Farmacêuticas da USP de Ribeirão Preto. O desenvolvimento recebeu financiamento dos programas Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe) e Apoio à Propriedade Intelectual, ambos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Fonte: Pesquisa Fapesp Online

 

Ed.141-23/05/2009


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito