Ano X nº 146  -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens


Adolescentes que abusam do álcool
têm pais que bebem com frequência

Metade dos adolescentes que faz uso abusivo de bebidas alcoólicas tem pai ou mãe que também ingere álcool com frequência. A conclusão é da pesquisa realizada pelo Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod), vinculado à Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Segundo a secretaria, o levantamento se baseou nos atendimentos realizados no Cratod entre 2002 e 2009, na capital paulista, com pacientes que apresentaram sintomas preocupantes quanto ao uso de bebida alcoólica.

Foram ouvidos 512 pacientes entre 12 e 17 anos, dos quais 86% são do sexo masculino. Desses, 256 afirmaram ter parentes que também fazem uso abusivo de álcool. O estudo indicou ainda que 4,36% dos entrevistados apontaram o álcool como droga que mais consomem. Dos entrevistados que apontaram o álcool como droga principal, 22% começaram a beber aos 13 anos de idade e 15% aos 11.

O Cratod oferece tratamento gratuito para dependentes de álcool, tabaco e outras drogas. O endereço é Rua Prates, 165, Bom Retiro, São Paulo.

Consumo nocivo De acordo com revisão científica, publicada na revista Lancet e divulgada pelo CISA - Centro de Informações sobre Saúde e Álcool, o uso nocivo, o abuso e a dependência de álcool podem diminuir a expectativa de vida das pessoas em até 10 anos. O consumo nocivo de bebidas alcoólicas provoca consequências ao sistema nervoso central e cardiovascular, além de estar associado à incidência de câncer e doenças hepáticas. As consequências graves decorrentes do uso pesado de álcool refletem na taxa de mortalidade, podendo provocar um aumento de três a quatro vezes na taxa de mortalidade precoce. De acordo com o estudo, a mortalidade relacionada ao uso de álcool representa de 2% a 4% de todas as mortes entre adultos.

Cinqüenta a 60% dos dependentes de álcool tornam-se abstinentes ou melhoram após um ano de tratamento e menos que 5% dos pacientes com dependência de álcool desenvolvem uma crise durante o período de abstinência ou um estado de confusão grave.

 

Ed.146-16/10/2009

 

 

Veja mais notícias de PESQUISA&TECNOLOGIA

 


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito