Ano X nº 144 -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

 

Cresce o número de fumantes que
buscam ajuda para deixar o vício 

Com a criação da lei antifumo, que começou a vigorar em 07 de agosto, a procura pelo Programa de Assistência Integral ao Fumante do HCor - Hospital do Coração, em São Paulo, teve um aumento significativo. Com as restrições feitas aos fumantes, a proibição do fumo em locais fechados de uso coletivo, fez com que muitos adeptos do cigarro procurassem ajuda para largar a dependência e poder conviver sem grandes problemas com os demais indivíduos que não fumam.

"A procura pelo serviço cresceu 30% desde que a lei começou a vigorar. A lei de modo geral, não só aqui, mas em outros lugares do mundo, incentivam aquele fumante indeciso a buscar tratamento", afirma a psicóloga e responsável pelo Programa da Instituição Silvia Cury Ismael.

O Serviço de Psicologia do HCor - Hospital do Coração em São Paulo, há 15 anos atua forte com palestras educativas e lúdicas para adolescentes, bem como o atendimento interno na Instituição. Por esse programa já passaram mais de 800 pessoas nos últimos anos. Segundo a psicóloga, além do cigarro ser considerado uma droga, ele provoca dependência e causa graves transtornos à saúde. O tabagismo se relaciona a mais de 50 tipos de doenças, como câncer de pulmão, de boca e de faringe, cardiopatias e até impotência sexual.

"O cigarro é fator de risco para diversas doenças. Isso significa que uma pessoa que fuma tem mais chances de contrair uma série de males. Alguns estão diretamente ligados ao tabaco. De cada dez casos de câncer de pulmão, por exemplo, nove são conseqüência do fumo, assim como 85% das mortes por enfisemas. Outras substâncias fazem parte da própria composição do tabaco ou são produzidas durante sua queima. O monóxido de carbono - o mesmo gás venenoso que sai do escapamento de automóveis -, por exemplo, dificulta a oxigenação do sangue e causa doenças como a arteriosclerose. Já, o alcatrão é na verdade um composto de mais de 40 substâncias comprovadamente cancerígenas. Assim, 30% das mortes por câncer se devem ao fumo", explica a especialista.

No Brasil, estima-se que 200 mil pessoas morram precocemente a cada ano devido ao tabagismo. Mas por que o fumo faz tanto mal? Quando uma pessoa traga a fumaça de um cigarro está inalando mais de 4700 substâncias tóxicas. Muitas delas vêm do processo de plantio do tabaco. Os agrotóxicos utilizados na plantação acabam sendo inalados, por tabela, pelo fumante. Mas um dos maiores vilões é mesmo a nicotina, responsável pelo prazer e pela dependência. Ela acelera a freqüência cardíaca e contribui para o surgimento de doenças cardiovasculares. Basta dizer que 45% dos infartos agudos do miocárdio em pessoas abaixo de 65 anos são causados por tabagismo. A nicotina também estimula a produção de ácido clorídrico, causando azia, podendo levar a uma úlcera e até a um câncer de estômago. 

Programa de Assistência Integral ao Fumante do HCor

Formado por grupos de cinco a 10 pessoas que se reúnem uma vez por semana, durante dois meses, o programa tem obtido êxitos inéditos. Logo após o tratamento, por exemplo, cerca de 80% dos pacientes permanecem em abstinência. Após um ano, 60% deles resiste ao cigarro, diminuindo consideravelmente os riscos de doenças cardiovasculares, hipertensão, câncer de diversos tipos, diabetes, entre outros males.

II Curso de Capacitação de Tratamento do tabagismo HCor

Esta edição do curso, que será realizado em 18 e 19 de setembro, além de trazer novos temas do assunto, tem a proposta de através de Workshops práticos treinar médicos e profissionais da área da saúde e profissionais de RHs de empresas, como abordar e tratar o fumante. Além de dar noções de como implantar um Programa de Controle do Fumo em empresas e instituições.

 

 

Edição: 144 - 26/08/2009


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito