Ano X nº 147 -

Últimas Notícias

Artigos/Crônicas

Bastidores

Cash

Corpo&Cuca

Editorial

Empresas

Lazer&Cia

Mural/Cartas

Na Rede

Pesquisa&Tecnologia

Profissão

Saúde

Saúde Bucal

3º Setor

Utilidade Pública

SERVIÇOS

Anuncie

Expediente

Fale com o JSO

Arquivo JSO

Legislação

Estatística

LINKS ÚTEIS

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

 

Nova orientação para mamografia divide médicos

As novas recomendações dos EUA para o rastreamento do câncer de mama não são consenso entre especialistas brasileiros. A orientação divulgada recentemente prevê mamografias a partir dos 50 anos (e não mais aos 40) e realizadas a cada dois anos (e não anualmente). No Brasil, o governo já adotava essa política. Mesmo assim, médicos do País ainda acreditam que a realização precoce do exame pode salvar vidas.

"Mesmo podendo resultar em procedimentos invasivos que detectem tumores que não afetarão a vida da paciente, a mamografia (precoce) ainda é a melhor opção", disse o mastologista do Hospital Albert Einstein Silvio Bromberg à reportagem de O Estado de São Paulo. O especialista do Hospital Santa Catarina Isaac Fermann Neto acha que as medidas dos EUA são típicas de um país que pretende cortar gastos após uma recessão econômica. "É um país em crise com seu sistema de saúde."

O painel de médicos do United States Preventive Task Force, grupo que assessora o governo americano, anunciou que mamografias precoces e muito frequentes têm levado à realização de biópsias, cirurgias e sessões de quimioterapia desnecessárias. Por isso, a orientação de iniciar o rastreamento aos 50 anos e reduzir a frequência. Em muitos casos, os tumores demorariam tanto para se desenvolver que jamais causariam problemas.

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) recomenda, desde 2003, mamografias a partir dos 50 anos, realizadas a cada dois anos. Países da Europa e o Canadá fazem o mesmo. "Os EUA fizeram uma revisão e agora se alinharam aos demais países", disse a gerente da Divisão de Apoio à Rede Oncológica do Inca, Ana Ortigão Farias.

No início do ano, o governo aprovou uma lei que causou confusão, já que prevê acesso gratuito à mamografia a partir dos 40 anos. O Inca, no entanto, apontou erro no texto e prometeu uma correção, o que não ocorreu até hoje. Segundo Ana, a lei não trata de rastreamento, que é o foco da política editada pelo Inca. Mesmo assim, hospitais entendem que a legislação obriga o exame precoce.

Autoexame – O estudo americano condenou ainda o autoexame das mamas - orientar a mulher a apalpar os seios em busca de nódulos - como método de rastreamento. O entendimento é de que, em muitos casos, a metodologia também leva a intervenções desnecessárias, ansiedade e confusão da paciente. O Brasil já tinha a mesma posição.

O mastologista do Hospital Sírio-Libanês Felipe Andrade discorda do estudo porque acredita que trabalhos que analisam a população em geral, direcionados a políticas públicas, levam mais em conta questões financeiras. "Eles seguem a linha "gastei muito para salvar poucas vidas"", disse. "Mas temos de salvar o máximo que conseguirmos”. Segundo Ana, não há limitação à realização de mamografias em qualquer idade se o médico encontrar sinais e achar que o exame é necessário. A idade serve apenas para orientar a política pública de saúde.

O diretor clínico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, Paulo Hoff, concorda com as novas orientações. Segundo ele, começar cedo os exames pode levar a efeitos colaterais e procedimentos cirúrgicos, como biópsias e perfurações, que implicam em riscos. O mastologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Luiz Henrique Gebrim diz que a mudança tem mais efeito nas políticas públicas. "As mulheres que não têm restrição de recursos devem continuar fazendo a mamografia (precocemente)”.

Roberto Vieira, membro da Sociedade Brasileira de Mastologia e pesquisador da Fiocruz, acha que as orientações tratam a população como estatística. "Não podemos desvalorizar uma mulher porque é jovem ou idosa. Como médico e cientista, acho revoltante”.

Fonte: O Estado de São Paulo

 

Edição: 147 - 26/11/2009

 

VEJA MAIS SOBRE SAÚDE


Copyright © 1999 Edita Comunicação.Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito