Cadastre seu e-mail

 
Ano X nº 151 -

Agenda grátis

Clima/Tempo

Concursos

Cotações/Moedas

Horóscopo

Portal da Câmara

Portal do Consumidor

Viagens

SAÚDE BUCAL
Edição 151 - 01/03/2010

 

Cirurgiões-dentistas propõem tratar cárie deixando-a intacta

 

Um grupo de dentistas brasileiros está propondo uma forma diferente de tratar pacientes com cárie. Baseados em pesquisas nacionais e mundiais, eles afirmam que não é necessário retirar completamente o tecido cariado do dente, como é feito tradicionalmente, e que, em alguns casos, a cárie pode até ser deixada intacta, apenas coberta por uma vedação.

São pesquisadores que fazem parte de uma corrente chamada odontologia minimamente invasiva, que propõe, entre outras questões, a retirada da menor parte possível de tecido dentário – é esse, aliás, o argumento para a mudança na forma de tratamento das cáries.

"O método convencional traz um desgaste desnecessário da estrutura dentária, que não pode mais ser reparada. A nova vertente traz evidências de que podemos remover menos tecido", disse à reportagem da Folha de São Paulo, o dentista José Imparato, que coordena um grupo de pesquisa em técnicas de mínima intervenção na Universidade de São Paulo (USP). Ele apresentará uma das técnicas no 28º Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, que ocorre no fim de janeiro.

Segundo Marisa Maltz, professora titular de odontologia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), o problema de remover muito tecido é que o dente fica menos resistente. "No caso de lesões pequenas, a remoção deixa o dente mais frágil, mais sujeito a fratura. No caso de uma cárie mais profunda, pode levar à exposição da polpa, o que requer um tratamento de canal, mais complicado", afirmou. De acordo com os dentistas entrevistados, muitas vezes é necessário fazer outras intervenções no mesmo dente, e aí o desgaste só piora.

A proposta é, no caso de lesões mais profundas, retirar apenas a parte mais externa da cárie, mais infectada, deixando a parte interna e fazendo a restauração logo depois. O grupo da USP propõe ainda, em lesões mais superficiais, não retirar nada da cárie e envolvê-la com um selante. A ideia é que a restauração ou o selante vedem a cárie e impeçam sua progressão, criando uma barreira para a chegada de nutrientes às bactérias.

Segundo Imparato, diversos estudos atestam a vantagem da técnica, entre eles, uma revisão de 529 pesquisas publicada em 2006 que mostrou que a remoção parcial da cárie não prejudica o dente e tem resultado semelhante ao da remoção total, com a vantagem de preservar mais tecido. Além dos grupos de Imparato e de Maltz, há grupos de pesquisa nessa área em universidades de Belo Horizonte e Ponta Grossa.

O novo tratamento não é consenso e enfrenta resistência por parte de alguns profissionais da área. "Os dentistas se incomodam muito em deixar cárie. Eles aprenderam a agir da forma convencional. Eu, durante muito tempo, ensinei isso também, mas a ciência mostra novos caminhos. Estamos iniciando uma mudança de conceitos", disse Imparato. Segundo ele, os próprios pacientes se assustam com a prática e muitas vezes acham que o dentista que a aplica é um mau profissional.

Para Norberto Francisco Lubiana, ex-presidente da ABO (Associação Brasileira de Odontologia), a retirada do tecido cariado não é um problema. "Depende do tamanho da cárie e do tipo de material restaurador, mas, se a lesão for substituída de uma forma boa, não leva a nenhum risco", afirmou. Ele disse que o tratamento preconizado pela odontologia minimamente invasiva é uma tendência e é válido, mas afirma que ele ainda não é ensinado nas universidades. "Na graduação, o comum é recomendar a remoção de todo o tecido.”

Fonte: Folha de São Paulo

 

 

 

 

 

3º Setor | Anuncie | Arquivo JSO | Bastidores | Estatística | Expediente | Legislação | Fale com o JSO | Mural/Cartas | Utilidade Pública

Copyright @ 1999 Edita Comunicação Integrada. Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização por escrito.
Melhor visualização 1024x768pixels